segunda-feira, 5 de julho de 2010

A criação do cavalo atleta: Parte III


PARTE III: DO DESMAME Á DOMA.
Após o desmame, o potro é considerado individualmente independente, mas não socialmente. É neste período crítico que são consolidadas suas bases estruturais, sociais e comportamentais. O que fazer para tornar um cavalo campeão? Uma forte consciência de realizar uma nutrição e manejos adequados. É através de uma boa criação que serão formadas estas importantes características que se refletirão positivamente no desempenho atlético do animal.
Neste último capítulo será abordada a fase que vai do desmame até aproximadamente os 18 meses de idade, quando ocorrem a doma e o treinamento.

DO DESMAME ATÉ 1 ANO DE IDADE
Quando desmamado, o potro passa por um estresse altíssimo, pois não só falta da mãe mas também o hábito da mama e a presença do leite na dieta lhe foram tirados. Algumas medidas podem ser utilizadas para atenuar este processo. Dentre elas, a formação do lote social antes do desmame com a presença de uma ama junto ao grupo de jovens potros e promover um crescimento moderado, para evitar problemas ortopédicos devido a ocorrerem várias alterações e adaptações na musculatura esquelética.
Nesta fase, o aspecto nutricional é o mais preocupante, pois ocorre importante modificação no tipo de fibra muscular. Isto leva a um aumento da capacidade oxidativa das fibras musculares, na medida em que os cavalos passam de velocistas (fator de sobrevivência para os potros recém nascidos) para explosão (acúmulo de energia) chegando ao controle de ambos, velocidade e explosão, nos cavalos adultos. Modificações ocorrem também no trato intestinal, onde haverá alteração da flora e de algumas enzimas digestivas. Nesta altura o potro já deverá estar comendo seu próprio alimento individualmente.
Enquanto um potro atinge cerca de 70% de seu peso de adulto no primeiro ano de idade, a sua mineralização óssea atinge apenas 57%. A mineralização máxima ocorre somente aos 6 anos de idade. Devido a este fator, há a necessidade de saber balancear corretamente a alimentação e principalmente o componente mineral. É de salientar que este é um período crítico pois o que for perdido aqui, dificilmente será recuperado.
O fator exercício produz benefícios á cartilagem articular e aumenta a taxa de crescimento ósseo durante os 8 primeiros meses de vida. Após esta idade, as correções ortopédicas por casqueamento se tornam muito difíceis.
Acidentes, problemas músculo esqueléticos, infestações por vermes, infecções bacterianas e virais tem impacto negativo no crescimento e desenvolvimento. A prevenção de problemas deverá ser o objetivo primário em potros de qualquer idade.

DOS 12 AOS 18 MESES
Este é um período de crescimento lento. Aqui se deverão solidificar as bases do crescimento, através de uma boa formação muscular, com irrigação sanguínea proporcional. Ocorrem também as diferenciações físicas entre machos e fêmeas, onde as fêmeas tendem ao crescimento em altura e os machos em massa muscular. Os hormônios sexuais nesta fase exercem grande influência no desenvolvimento do cavalo atleta. As prolongadas fases de cio nas potrancas levam a grande desgaste energético, e nos machos, a competição hierárquica e por vezes a masturbação. Estes gastos de energia são saudáveis e deverão ser manejados normalmente. Fazem parte da natureza do cavalo e não devem ser coibidos.
É também durante este período que acontece a formação final das cartilagens articulares e o fechamento das placas de crescimento ósseo mais requisitadas. Isto pode (e deve) ser aferido por exames radiográficos, prevenindo qualquer alteração óssea e articular durante a fase de treinamento.
Desde que sejam realizados de forma racional, a doma e treinamento iniciados aos 18 meses de idade são mais eficazes e não tem nenhum efeito deletério nos parâmetros clínicos, histológico e biomecânico dos tecidos músculo esqueléticos.
Quanto á doma propriamente dita, esta deverá ter o propósito de formar uma parceria entre cavaleiro e cavalo e não a submissão do animal. Os procedimentos pelos quais isto é atingido são o mérito de cada treinador e só deverão dizer respeito a ele e ao proprietário do animal.
Importância deverá ser dada logo após o confinamento em cocheiras para inicio do treinamento, pois ocorre uma desmineralização óssea levando a dor de canelas. Por isso, o fechamento dos animais deverá ser feito de forma gradativa, pois esta fraqueza óssea é causada pelo estresse. Um animal previamente acostumado á cocheira sofrerá menos estas alterações.
Quanto á alimentação nesta fase, é de salientar que os cavalos em treinamento com até 6 anos de idade ainda estão em crescimento, assim como sob exercício intenso. Sendo assim, a sua ração deverá fornecer níveis adequados de energia, bem como lisina e outros nutrientes chave.

CONCLUSÃO
Os fatores ambientais como nutrição, exercício e condicionamento são difíceis de quantificar, e o manejo durante a fase de crescimento e desenvolvimento, bem como tipo de treinamento, influenciam diretamente o potencial do cavalo para o sucesso.
Para elucidar o quanto é importante uma criação correta, segue abaixo o diagrama,


onde 1 representa genética, 2 nutrição, 3 manejo, 4 sanidade e 5 treinamento. Se estes 5 fatores não estiverem devidamente completos, não teremos 100% da capacidade atlética esperada do cavalo. O trabalho de criação visa o preenchimento de cada item através de suas interações, de forma a tentar formar um animal capaz de competir com todo o seu potencial.
O programa de criação em um estabelecimento deve levar em conta o que será ser feito durante toda a vida do cavalo atleta, desde sua gestação até á competição, sabendo que são inúmeros os fatores que interferem positiva e negativamente nesse processo. Saber manejá-los de forma proveitosa é o segredo para a formação de um verdadeiro campeão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário