segunda-feira, 6 de agosto de 2012

FISIOTERAPIA EQUINA, o futuro da reabilitação do cavalo de esporte


FISIOTERAPIA E REABILITAÇÃO EQUÍNA

No meio esportivo equino, por vezes, falta o elo na cadeia de eventos que se inicia com a lesão do atleta e termina com o retorno á atividade física. Este elo representa a reabilitação planejada do cavalo de esporte e as terapias secundárias direcionadas em cada caso específico.
As consequências da inclusão deste elo são uma recuperação em curto prazo, com encurtamento das fases inflamatórias da lesão, aceleração da cicatrização, não formação de reações cicatriciais e evitar a perda de massa muscular e amplitude dos movimentos, temas comuns nos cavalos em recuperação.
As grandes equipes hípicas mundiais já iniciaram esse projeto á décadas, tendo obtido resultados muito além dos esperados em competição. Exemplo disso são as equipes de enduro do estado do Kentucky e alguns haras de PSI como da família Maktoum, os maiores criadores do mundo.
Existem várias terapias não invasivas que vem sendo utilizadas á décadas em atletas humanos que agora são empregadas no cavalo atleta de alta performance.  Estas terapias incluem:
- Agentes térmicos
- Eletricidade (TENS, FES)
- Som
- Luz (fototerapia)
- Campos magnéticos
- Compressão
- Movimento
O programa de fisioterapia equina é muito abrangente, desde potros recém-nascidos a cavalos idosos, sendo o objetivo principal a terapia de problemas musculoesqueléticos e a restauração do movimento adequado do cavalo.


CONDICIONAMENTO FISICO

O condicionamento físico de um cavalo atleta poderá ser maximizado através de programas planejados de fisioterapia respiratória e manual.
O objetivo de qualquer condicionamento básico é aumentar a resposta fisiológica e física ao exercício. As respostas psicológicas são maior confiança e desejo em realizar exercício e fisicamente adquirindo maior força e resistência com redução do risco de lesões.
O programa de condicionamento é específico a cada tipo de atleta, ou seja, em cavalos de corrida ou velocidade, por ser uma atividade quase que anaeróbia, a capacitação deverá ser voltada para essa característica e não somente capacitação aeróbia de resistência.
No programa de condicionamento aplicado serão trabalhadas as capacidades do atleta de:
- Aumentar a captação de oxigênio com diminuição da ventilação durante o exercício.
- Diminuição dos batimentos cardíacos durante exercício, aumento da dimensão cardíaca e da circulação sanguínea.
- Aumento da capacidade muscular aeróbia, mais rapidez na contração muscular, aumento da massa muscular.
- Maior alongamento e resistência de tendões e ligamentos
-Melhora da qualidade óssea e sua remodelação face ao exercício

quinta-feira, 31 de maio de 2012

COMPOSIÇÃO DO LEITE DA ÉGUA: DIFERENÇAS ENTRE AS RAÇAS


Muitos pensam que a produção de leite de uma égua se limita á égua ser boa ou ruim “de leite”. O leite da égua não deve ser subestimado, sobretudo por ser o alimento inicial da vida de um potro e seu principal alimento durante os três primeiros meses de vida.
A égua precisa produzir leite suficiente para dobrar o peso do potro em 60 dias,com o risco de haver um crescimento fora de padrão.
Comparado com as outras espécies, o leite da égua é consideravelmente baixo em alguns componentes, como segue:

Espécie animal
Água (%)
Matéria seca (%)
Proteína (%)
Gordura (%)
Lactose (%)
Matéria mineral (%)
Vaca
87,8
12,2
3,5
3,5
4,5
0,8
Égua
90,0
10,0
2,2
1,1
6,1
0,5
Ovelha
82,5
17,5
6,5
6,1
4,5
1,0

O artigo tem como objetivo auxiliar o criador e principalmente quem se utiliza do programa de transferência de embriões, para ajustar receptoras ás necessidades nutritivas de cada raça específica.

A glândula mamária
A égua possui quatro glândulas mamárias ligadas ao corpo por ligamentos de sustentação. Elas não possuem pelos e são extremamente sensíveis para responderem á sucção do potro. Ao contrário dos outros mamíferos, o leite é secretado apenas por duas tetas ao invés de quatro como a vaca, ou seja, apenas uma saída para cada duas glândulas mamárias.
No seu interior, a glândula mamária é composta por alvéolos que produzem o leite e vários ductos ramificados e interligados entre si, que o depositam e armazenam logo abaixo, numa câmara, enchendo o úbere da égua. O leite é aí mantido por um esfíncter muscular que o impede de sair, somente no processo de mama pelo potro.
Durante a gestação, as glândulas mamárias se desenvolvem sob a ação do hormônio progesterona, até ao momento do parto, onde a produção de colostro torna o úbere visível. Elas seguem se desenvolvendo até seu nível máximo oito semanas após o parto, aumentando assim a produção de leite proporcional ao crescimento do potro.

A Formação do leite
Os constituintes do leite são captados da circulação sanguínea pelas células mamárias. Nestas células, estes componentes são transformados em lactose, gordura e proteínas e armazenados nos alvéolos junto com água. Á medida que a câmara de armazenamento se enche, aumenta a pressão dos ductos, deixando assim o leite pronto para o potro.
A taxa de produção é controlada por hormônios, que por sua vez são controlados pela quantidade de leite que o potro mama. Quando o potro começa a comer pasto ou ração, diminui a ingestão do leite e assim a sua produção também cai. Se o potro ficar sem mamar por 24 horas, a glândula mamária inicia seu retrocesso e mesmo voltando a mamar após esse período, os níveis de produção já não serão os mesmos.

A curva de lactação

A quantidade e a concentração de todos os componentes do leite afetam diretamente a intensidade e o crescimento correto dos potros. Durante toda a lactação, o leite da égua sofre variações de acordo com seu status fisiológico, como gestação e cio.
A produção de leite aumenta em quantidade até os 60 dias de lactação, onde ocorre o pico lactacional. Após esse período, a produção de leite começa a cair juntamente com sua quantidade de nutrientes até atingir níveis mínimos de qualidade, ocasionando o desmame e o cessamento na produção.
Quanto mais cedo o potro iniciar a comer, também mais cedo diminui a produção do leite.

Os nutrientes do leite

Os nutrientes do leite variam na sua concentração de égua para égua e de raça para raça. Vários são os constituintes do leite, mas o foco deste artigo serão apenas os principais, sendo matéria seca, gordura, proteínas (caseína), lactose (principal açúcar) e matéria mineral (Cálcio e Fósforo).
Abaixo segue tabela comparativa entre as diversas raças encontradas no Brasil e as mais utilizadas para transferência de embriões.

Raça
Produção (Kg/dia)
Matéria Seca (%)
Gordura (%)
Proteína (%)
Lactose (%)
Matéria Mineral (%)
Cálcio (mg/Kg)
Fósforo (mg/Kg)
Quarto-de-Milha
11,8
10,8
1,4
2,4
5,8
0,6
787
504
Puro Sangue Inglês
14,9
11,8
2,1
2,3
6,52
0,68
843
543
Puro Sangue Lusitano
12,2
12,8
2,4
2,00
5,5
0,4
962
580
Puro Sangue Árabe
9,2
11,1
1,74
2,76
6,2
0,32
913
732
Mangalarga
9,5
10,2
1,6
1,9
6,5
0,35
-
-
Bretão
17,7
11,3
3,4
2,3
6,9
0,2
102
63

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

ÚLCERAS GÁSTRICAS EM CAVALOS


“Não existe cura total para esta síndrome, mas alguns métodos preventivos poderão manter o seu cavalo livre de úlceras gástricas.”

O que as três situações abaixo tem em comum:

1)      Você volta com o seu cavalo de uma prova após uma competição frustrante. O seu cavalo de elite não correspondeu ás expectativas. Durante a  prova olhava raramente para os flancos e sentia-se desconfortável.
2)      A sua potra preferida acabou de ser desmamada. Antes forte e robusta, agora está magra e fraca, e sem apetite.
3)      O seu cavalo de passeio, mesmo em bom pasto, teve início de laminite que foi resolvida com tratamento. Sempre dedicado, agora ele mostra sinais de dor quando é montado, a pelagem feio e aparenta estar deprimido.
O que é mais surpreendente é que apesar de todos estes sinais apontarem uma série de problemas, estes três animais podem ser diagnosticados com a mesma doença: a síndrome da úlcera gástrica equina. Cerca de 92% dos cavalos de corrida são acometidos desta síndrome e 25% dos potros antes dos 2 meses de idade.


Histórico e sinais
Estômago normal
As úlceras gástricas não se restringem apenas ao estômago mas também afetam o intestino delgado. Elas ocorrem quando partes destes órgãos se tornam muito ácidas, causando lesão nas células. O ácido para digestão no cavalo é produzido constantemente, ao contrário de nós, que o produzimos apenas quando comemos. O cavalo produz em média 1,5 litros deste ácido por hora, devido a ser um animal de pastoreio, que deve comer constantemente.
Ulcera
Os cavalos submetidos a mais estresse são os mais acometidos. Os sintomas são os mais variados, como perda de apetite, bruxismo, salivação excessiva e diarreia em potros e anorexia, perda de peso, diminuição do desempenho, tendência a permanecer deitado, pelo arrepiado e episódios de cólica em adultos.
O diagnóstico é feito através de endoscopia gástrica, onde são visualizadas as úlceras e pelos próprios sintomas.

Causas
Existem várias causas que predispõem os cavalos a úlceras gástricas. Algumas podem ser manejadas, outras são de origem genética e muito difíceis de tratar. Os três principais fatores são:
1)      O regime alimentar, como o tipo de alimento e frequência de fornecimento. Cavalos que tem poucas refeições diárias e ricas em carboidratos são mais susceptíveis, pois grãos como milho e aveia levam a grande produção de ácido para sua digestão. Cavalos a pasto ou que comem livremente tem menos incidências de úlceras.
2)      O treinamento e exercício também podem contribuir com a presença de úlceras gástricas. O exercício intenso também leva á produção excessiva de ácido gástrico. Isto ocorre, pois ocorre uma diminuição do fluxo sanguíneo no estômago, associado a uma pressão abdominal, levando o conteúdo gástrico a subir para as partes desprotegidas do estômago. O aumento muito rápido da atividade física do cavalo também leva á mesma situação, já que causa altos níveis de estresse, que aumentam a produção de ácido, diminuem o fluxo sanguíneo e o esvaziamento gástrico, causando úlceras.
3)      Algumas medicações causam úlceras, como os antinflamatórios (fenilbutazona, flunixim meglumine), pois diminuem a produção do muco protetor da parede do estômago.

Tratamento
Existem vários medicamentos que podem ser utilizados para tratar as úlceras, entre eles os que bloqueiam a produção de ácido (ranitidina, cimetidina), os inibidores da bomba de prótons, que também bloqueiam a produção de ácido, mas por tempo mais prolongado (omeprazole).
O melhor tratamento nos primeiros dias é utilizar ambos e após apenas o omeprazole, que é o mais eficaz para o tratamento da úlcera gástrica.
Medicamentos antiácidos e protetores de mucosa podem ser usados juntos com o omeprazole, pois promovem alicio contra a acidez e protegem a mucosa contra o ácido.
Alterar a alimentação também é uma forma de tratamento. Dietas ricas em fibras e baixas em carboidratos promovem um pH apropriado no estômago. Manter alimento constante durante o dia também reduz as chances de úlcera. O uso de feno de alfafa é ótimo para a proteção gástrica. Cavalos que necessitem de mais calorias para trabalho deverão utilizar dietas ricas em óleos e gorduras, pois diminuem a acidez estomacal.

Prevenção
As úlceras são essencialmente uma doença de manejo. No entanto, os cavalos mantidos na mais ideal das condições podem adquirir úlceras. O melhor manejo a ser feito é manter os animais a pasto o mais permanentemente possível e/ou manter uma dieta rica em feno. As refeições diárias deverão ser no maior número possível dentro da condições de cada proprietário.
Quanto aos animais em treinamento, bons programas de adaptação e transportes são fundamentais, assim como evitar o overtrainning, evitando consequentemente o uso de medicação antinflamatória.
Alguns cavalos são mais predisponentes do que outros. As úlceras podem ser evitadas com condições alimentares e de treinamento corretas, cabe a cada responsável utilizar os métodos adequados para não ocorrer esta síndrome, que mesmo tratada, pode voltar sempre pelos mesmos motivos.